O futebol feminino e sua crescente visibilidade

Atualizado: Jun 9


Apesar de faltar um abismo para igualar com a repercussão do futebol masculino, as pessoas estão se esforçando para quebrar essa disparidade.

Finalmente o futebol feminino tem ganhado mais visibilidade nos meios de comunicação. No Brasil, as mulheres só conseguiram espaço após uma exigência da Conmebol para que os clubes montassem elencos femininos, caso contrário não poderiam participar das competições sul-americanas, apesar disso a história está se encaminhando. Porém, na Europa, as potências mundiais preparam times fortes e competitivos com a simples intenção de incentivar o esporte na modalidade feminina. Lyon, Barcelona e Atlético de Madrid são bons exemplos disso. Logo, os meios de comunicação estão acompanhando bem essa evolução e dando lugar a essas partidas em sua grade de programação.


O canal de TV Bandeirantes começou a transmitir o Campeonato Brasileiro Feminino de Futebol no domingo passado e, pasmem, a audiência da emissora que antes havia uma média de 1 ponto, com a partida chegou a um auge de 3.8 e a uma média de 2.5. A hashtag #FutBand, utilizada para comentários nas redes sociais, foi um dos assuntos mais comentados no Twitter. Isso contra-argumenta a ideia de que o futebol feminino tem menos importância para os telespectadores, já que cerca de um milhão de televisões estavam ligadas durante o jogo. É claro que, comparando com a média de 20 pontos de audiência que a Rede Globo tem nos jogos de domingo à tarde é considerado um número pouco significativo, mas deve-se lembrar que o espaço está surgindo aos poucos. As mulheres podem jogar futebol tão bem com os homens e os times também podem ser tão competitivos quanto, basta haver a maior igualdade nos investimentos.

Vale lembrar também que durante as competições europeias vários recordes de público nunca imaginados foram quebrados. No México em 2018, 51.211 torcedores foram à final do campeonato nacional entre Monterrey e Tigres e na Inglaterra, 45.423 pessoas assistiram pela Copa da Inglaterra, Arsenal Women e Chelsea Ladies, em Wembley. Nas quartas de final da Copa da Rainha, na Espanha, 48.121 pessoas foram às arquibancadas assistir Athletic Bilbao e Atlético de Madrid, jogo que nem valia taça. Pelo Campeonato Espanhol, Atlético de Madrid e Barcelona receberam 60.739 amantes de futebol no Wanda Metropolitano. Na estreia de uma partida feminina no Allianz Stadium, entre Juventus e Fiorentina, registrou 39 mil pessoas, onde tem capacidade para 41.500 torcedores. A final da UEFA Champions League entre Lyon e Barcelona contou com um público de 19.487 pessoas no Estádio Ferencvaros em Budapeste no último sábado. É até uma heresia certas pessoas falarem que o futebol feminino não é interessante, não é mercadoria alvo de patrocinadores e não tem importância.


A Copa do Mundo Feminina acontecerá esse ano na França e será entre o dia 07 de junho e 07 de julho. A competição veio em ótimo momento relacionado à visibilidade feminina, depois da quebra de tantos recordes, também haverá a quebra deste, nunca foram vendidos tantos ingressos para uma competição feminina. Em menos de 48 horas, os ingressos das últimas fases já haviam esgotado. Haverá a transmissão inédita da Rede Globo pelo menos dos jogos da Seleção Brasileira e o resto dos jogos pelo SporTV e a participação de comentaristas mulheres nas transmissões - Ana Thais Matos pela TV aberta e Nadja Mauad pelo canal fechado. Isso é muito importante para o incentivo ao esporte e ao jornalismo esportivo. A Panini também lançou um álbum de figurinhas da competição, também trazendo igualdade para o elenco.


​Por outro lado, por mais que tenha havido uma evolução, algumas informações ainda são difíceis de se encontrar. Ao pesquisar sobre as seleções e as jogadoras que participarão da Copa, são encontradas informações muito vagas, a maioria em inglês ou na língua a que a seleção se refere. A realidade é diferente, mas tem um longo caminho para percorrer para conseguir a visibilidade adequada. As marcas estão começando a se interessar em investir nos clubes femininos, a Barclays investirá uma fortuna no campeonato inglês feminino. O futuro é delas. Afinal, quando se investe corretamente, o futebol feminino pode se transformar em um futebol de alto nível quanto o masculino.

Receba as novidades

do Futebol Por Elas

  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Instagram - Black Circle