Copa do Brasil: Flamengo conquista o bicampeonato em 2006

Atualizado: Jan 1

A conquista foi marcada pela superação, que trouxe nomes como Léo Moura, Jônatas, Renato Augusto, Obina e Luizão, ainda se mantém viva na memória de todo torcedor rubro-negro. Em 2006, a equipe voltou ao topo do torneio e ainda conseguiu essa felicidade imensa em cima do seu maior rival, o Vasco.

A estreia na competição ocorreu no dia 22 de fevereiro diante do ASA. Iniciou a trajetória sob uma certa desconfiança, já que tinha feito uma campanha fraca no Campeonato Carioca. O time adversário começou abrindo o placar com Denílson, e no segundo tempo, Ronaldo Angelim conseguiu o empate em 1 a 1 em Arapiraca (AL). Flamengo conseguiu passar de fase com um certo drama. No jogo de volta, no Maracanã, Cascata fez 1 a 0 para os alagoanos, Renato Silva conseguiu igualar ainda no primeiro tempo, mas o gol da virada veio aos 40' do segundo tempo, com Peralta, que garantiu a vitória do time rubro-negro.

Na segunda fase, Flamengo jogou conta o ABC. A pressão intensa do time flamenguista marcou o primeiro jogo. Depois de várias tentativas, o gol saiu aos 33' da etapa final com, novamente, Ronaldo Angelim. Já a partida de volta veio com uma bela vitória seguida de um triunfo: Renato Abreu e Ramírez marcaram no primeiro tempo, e no segundo, Luizão e Renato Abreu finalizaram a goleada por 4 a 0.

Nas oitavas de final o time carioca encontrou o Guarani e não trouxe perigo para passar para as quartas. No primeiro jogo, o rubro-negro já garantiu uma goleada de 5 a 1, com gols de Luizão, Léo Moura, Renato Abreu, Obrina e Juan, enquanto Bilu fez o gol de honra do Bugre. O jogo de volta terminou em 1 a 0 para o Guarani, com gol de Juliano, que mesmo assim, garantiu a vaga para a próxima fase.

Atlético Mineiro foi o adversário das quartas de final. Novamente o primeiro jogo foi com o mando do rubro-negro, no Maracanã. O início do jogo não foi tão bom, porém, conseguiram superar os erros do começo e deram uma surra no clube mineiro. A partida terminou em 4 a 1 para os flamenguistas. Renato Abreu, marcando dois, Obina e Jônatas foram os protagonistas da festa. Marinho marcou para o Galo. Para o jogo de volta, Flamengo apenas colocou o regulamento debaixo do braço no Mineirão e garantiu o empate em 0 a 0. Flamengo classificado para a semifinal.

A sensação do torneio vinha ao encontro do rubro-negro nas semifinais, o Ipatinga comandado por Ney Franco e contado com nomes como Rodrigo Arroz, Leandro Salino e Camanducaia. No primeiro jogo, Obina começou abrindo o placar no Ipatingão, mas no último minuto, Camanducaia garantiu o empate e assim, deixou a torcida preocupada. O risco de acontecer uma zebra passou bem perto no segundo jogo, já que Camanducaia abriu o placar no Maracanã. Mas a virada veio, para alivio dos torcedores. O empate aconteceu com um gol de Ronaldo Angelim, ainda no primeiro tempo, e a virada veio com Renato Abreu na etapa final. A ida à final estava garantida!

No intervalo da semifinal para a final, o técnico Waldemar Lemos, deixou o comando do clube por culpa dos resultados ruins do Brasileirão. A cúpula rubro-negra, porém, apostou em um nome que chamou atenção no início de temporada para se redimir e garantir o título sobre o Vasco: o promissor Ney Franco. Com a parada para a Copa do Mundo, Ney Franco teve tempo para trabalhar. Para o primeiro jogo da final, diante do grande rival, Vasco, escalou o Flamengo com trio de zaga e apenas Luizão de atacante. Só que o título rubro-negro começou a se desenhar em uma "cartada" do treinador: Renato Silva, machucado, deu lugar a Obina. Em seu primeiro toque na bola, o atacante deixou o rótulo de perseguido pela torcida para comemorar o primeiro gol, aos 14 minutos. Três minutos depois, Léo Moura cruzou para Luizão garantir a vitória por 2 a 0, com direito a gritos de "olé".

No dia 26 de julho de 2006, o bicampeonato rubro-negro veio com mais uma vitória diante do seu maior rival. A tentativa cruz-maltina de reagir e vencer por três gols de diferença sofreu um duro golpe aos 17 minutos: Valdir Papel deu um carrinho em Léo Moura e foi expulso. Coube ao Flamengo administrar a vantagem e chegar ao gol do título aos 28 minutos, em batida rasteira de Juan, que parou na rede de Cássio. Mais determinada, a equipe garantiu o seu título com direito a, novamente, gritos de "olé".

Receba as novidades

do Futebol Por Elas

  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Instagram - Black Circle