Flamengo vence o Barcelona de Guayaquil em um jogo que quase não aconteceu

O Flamengo acabava de sair de sua maior derrota na história da Libertadores: um 5 a 0 amargo, apático, vergonhoso. A delegação permaneceu no Equador e, se não bastasse a derrota elástica do jogo anterior, logo começaram a aparecer os primeiros sinais de que algo não conspirava a favor do rubro-negro carioca.


(Foto: Staff Images / CONMEBOL)

No domingo (20), o clube informou que Gabriel Barbosa, atacante e artilheiro da última temporada, sofreu uma lesão na coxa, iniciou o tratamento e desfalcaria o time no próximo confronto. No mesmo dia, explosões no vulcão ativo Sangay, que fica à leste de Guaiaquil, expeliram cinzas que impediram que o time do Flamengo treinasse ao ar livre. O clube teve que recorrer a atividades físicas dentro do hotel. Mas, as piores notícias ainda estavam por vir.


Após os testes para a Covid-19 que são realizados antes de todas as partidas oficiais, foi detectado um surto da doença na delegação brasileira. Ao todo, sete atletas foram diagnosticados: os laterais Isla e Filipe Luís; o meia Diego Ribas; os atacantes Bruno Henrique, Michael e Vitinho; além do lateral reserva Matheuzinho. Também foram diagnosticados com o vírus o médico Márcio Tannure e o ex-jogador do Flamengo Juan, que hoje é auxiliar. Diego Alves, goleiro titular, e Pedro Rocha se recuperam de lesão no Rio e Gustavo Henrique, zagueiro, que se envolveu em uma confusão estando no banco de reservas, foi expulso e cumpre suspensão, também não estarão entre as opções do técnico Torrent.


Na tentativa de suprir a carência de jogadores, o clube carioca optou por fretar um voo particular e levar quatro jogadores para se juntar a delegação. São eles: Natan, zagueiro de 19 anos; João Lucas, lateral direito de 22 anos; Guilherme Bala, atacante de 19 anos; e Rodrigo Muniz, também atacante de 19 anos. Porém, mais um revés. O voo que levava os jogadores não teve autorização de entrar no espaço aéreo do Peru e precisou retornar ao Brasil. Os jogadores ficaram em um hotel em Manaus esperando a liberação, que não ocorreu até o início da tarde de hoje (22). Os “meninos” desembarcaram no Equador poucas horas antes do início da partida.


E quase desembarcam para uma partida cancelada. Na tarde de hoje, autoridades equatorianas divergiram sobre o cancelamento da partida e alguns veículos de comunicação chegaram a noticiar que o estádio havia sido interditado. Pouco antes das 17h do horário de Brasília, chegou a notícia de que o jogo havia sido mantido. E as 19h15 a bola rolou.


Pouco após o início do jogo, aos 6’ em uma grande jogada individual de Gérson, Pedro recebeu a bola e abriu o placar pro time carioca. O Flamengo começou muito diferente do futebol que apresentou no jogo anterior, demonstrando mais atitude e mais vontade de bola. Aos 17’, quase outro gol em duas finalizações: primeiro Arrascaeta e em seguida, Everton Ribeiro. Aos 26’, Pedro fez uma boa jogada de pivô, tocou para Everton Ribeiro que encontrou Arrasca livre na área, ampliando o placar.


Em um primeiro tempo sem muitas faltas duras, o primeiro cartão amarelo saiu aos 31’ em uma falta de Orejuela em Arrascaeta, autor do segundo gol. Aos 38’ o primeiro lance de perigo ao gol do Flamengo passou perto da trave. Aos 44’, outro amarelo para o time equatoriano, dessa vez Riveros fez falta em Pedro. O time equatoriano tentou pressionar nos últimos 15 minutos do primeiro tempo, mas o rubro-negro foi para o vestiário levando a melhor. Com destaques para Pedro e Arrascaeta, autores dos gols. Mas também para Gérson e Arão.


No início do segundo tempo, em um vacilo da defesa do Flamengo, o Barcelona diminuiu com gol de Emmanuel Martínez. E logo em seguida, Pedro quase fez marcou pela segunda vez no jogo. Aos 11’ do segundo tempo, o terceiro amarelo novamente para equipe do Equador, para Piñatares, por falta dura em Gérson. O Flamengo se mostrou muito vulnerável defensivamente e aos 16’ da segunda etapa, os equatorianos quase chegaram ao empate. Os primeiros 20 minutos foram marcados por chances para os dois times, mas o time carioca sofreu com a pressão do Barcelona.


Aos 27’, Pedro, autor do gol e um dos melhores jogadores do Flamengo no jogo sentiu dores e foi substituído por Lincoln, jogador extremamente criticado pela torcida e que já entrou sendo punido com um cartão amarelo. Um jogo que parecia dominado pelo time carioca ganhou momentos de sofrimento. O técnico do Flamengo também foi punido por um cartão amarelo, por reclamação, alguns momentos depois, aos 34’. Outro amarelo para o time carioca saiu aos 37’, para o volante Thiago Maia.


O time carioca caiu muito em rendimento físico e sofreu pressão de um desorganizado Barcelona, que modificou seu esquema tático em busca do empate. Próximo dos 40’, o Flamengo teve chance de ampliar o placar e definir o jogo, mas não aproveitou. Os últimos momentos foram sofridos para os torcedores flamenguistas e para os jogadores, que com 11 ausências e poucas peças de substituições, mesmo claramente cansados, não podiam ser substituídos.


Em um jogo improvisado, de um Flamengo sem jogadores importantes e com incerteza de se o jogo aconteceria ou não, a vitória rubro-negra não foi nem perto um jogo brilhante em relação a coletividade, mas foi marcado por mais vontade e garra, apesar de um time claramente abaixo do ideal fisicamente. A vitória por 2x1 deixou o time do questionado Torrent um pouco mais próximo da classificação para a próxima fase da Libertadores. Caso o Independiente del Valle vença o Junior Barranquilla, o time carioca precisará de apenas 1 ponto nos próximos dois jogos para garantir a passagem para a próxima etapa. O Barcelona, por outro lado, está eliminado da competição.

Receba as novidades

do Futebol Por Elas

  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Instagram - Black Circle